Exames Complementares

Não é só o espermograma e/ou testes de função espermática que devem ser solicitados na investigação da infertilidade masculina ou outras questões referentes à saúde reprodutiva e sexual do homem. A realização periódica de exames para rastreio de infecções é de extrema importância para a saúde masculina.

Em alguns casos, as infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) podem ser assintomáticas, ou seja, não manifestam sinais e sintomas no indivíduo infectado, fazendo com que ele não procure ajude médica e com que a doença se instale e evolua para órgãos adjacentes, como próstata, epidídimos e testículos. O quadro de infecção crônica é preocupante, pois muitas vezes é subdiagnosticado e subtratado e pode levar à infertilidade masculina. Em quadros de epididimite, prostatite ou orquite crônicas, os espermatozoides ficam em ambiente com altos níveis de radicais livres e sofrem com o estresse oxidativo, com consequentes danos a membrana plasmática e ao DNA espermático, mecanismos fisiopatológicos importantes para redução do potencial fértil.
O rastreio para ISTs e outras infecções não transmissíveis sexualmente é simples, barato e deve ser realizado anualmente ou sempre que o homem perceber algo de errado.

Veja a seguir os exames realizados pelo Androscience que auxiliam no diagnóstico e tratamento das infecções do trato reprodutivo.

 

EXAME DE URINA 

O que é urina?

O nosso organismo é composto por milhares de células que estão em constante atividade metabólica com a finalidade de manter nossas funções vitais em perfeito funcionamento. Devido a esse metabolismo, alguns subprodutos tóxicos às células são gerados e necessitam ser eliminados. O rim é o órgão encarregado de filtrar o sangue com o objetivo de retirar todas essas impurezas. Estas substâncias são eliminadas através da urina, produzida a todo instante e pode servir como importante marcador da saúde renal e sistêmica.

 

PARA QUE SERVE O EXAME DE URINA

Os exames realizados com a urina podem indicar presença de doenças no sistema renal e urinário, como infecções, insuficiência renal e também doenças sistêmicas e metabólicas, como o diabetes. É importante que, junto aos exames de urina, sejam feitos testes adicionais, como dosagens de hormônios, de creatinina, de ureia, entre outros.

 

TIPOS DE EXAMES DE URINA REALIZADOS NO ANDROSCIENCE

Urina tipo I:

O exame de urina tipo I é utilizado para identificação de indicadores e informações que podem ajudar a entender como está a saúde de um indivíduo de maneira geral. Como dito anteriormente, a urina é composta por diversos componentes que resultam da filtragem do sangue. Dessa forma, é possível avaliar como os rins estão funcionando e se há algum outro problema de saúde.

Para realizar o exame, o paciente deve colher a primeira urina do dia logo pela manhã ou permanecer pelo menos 3 horas sem urinar antes de realizar a coleta em outro horário.

A análise da urina fornece informações sobre presença de bactérias e leucócitos que podem ser sugestivos de infecção, bem como informações sobre marcadores importantes para avaliação da saúde global, como da glicose (que pode indicar diabetes quando presente na urina). A urina tipo I é considerada um exame de rotina e deve ser realizada em conjunto com outros exames.

 

Urocultura

A urocultura ou cultura de urina é realizada com o objetivo de identificar possíveis bactérias patogênicas causadoras de infecções no trato urinário (ITUs). Esse exame é capaz de dizer exatamente qual o microrganismo responsável pela infecção. Em conjunto com a cultura da urina, é importante que seja realizado o Teste de Sensibilidade a Antibióticos (TSA) – é ele que vai determinar qual o antibiótico mais eficaz contra a bactéria encontrada na urocultura.

 

CULTURA DE SECREÇÃO URETRAL

A uretra, estrutura responsável por realizar o transporte de urina e sêmen (nos homens) até o meio externo é frequentemente infectada por microrganismos devido a sua anatomia. A uretra masculina possui uma estrutura chamada fossa navicular que propicia a proliferação de bactérias devido às características de suas células.

WhatsApp Image 2021-12-09 at 12.57.11.jpeg

Quando a uretra está inflamada e infectada, denominamos o quadro de uretrite. A uretrite pode ou não ser acompanhada de saída de secreção com ou sem odor fétido, sensação de ardência, vontade de urinar frequentemente, entre outros. Os microrganismos mais comumente associados como causadores de uretrites são: 

  • Enterobactérias (principalmente na prática de sexo anal sem uso de preservativos);

  • Enterococcus spp;

  • Neisseria gonorrheae;

  • Clamydia trachomatis;

  • Mycoplasma hominis;

  • Ureaplasma urealyticum;   

  • Candida spp.

 

COMO FAZER O DIAGNÓSTICO DE URETRITE

O diagnóstico é realizado através da coleta de uma amostra de secreção uretral, feita pelo médico ou enfermeira. A amostra coletada é enviada para o laboratório, que realiza testes microbiológicos e de biologia molecular para identificar possíveis microrganismos patogênicos causadores de uretrite. É importante que o médico solicite também o Teste de Sensibilidade a Antibióticos (TSA) para determinar o melhor antibiótico para o tratamento.  

 

INTERPRETAÇÃO DO RESULTADO

Há microrganismos que habitam normalmente a uretra masculina e inclusive servem de proteção contra outras bactérias. A análise microbiológica da secreção uretral irá mostrar se as bactérias presentes são da microbiota ou se são patogênicas e qual o melhor medicamento para combatê-la. Somente o médico é apto para interpretar o resultado e determinar qual a melhor conduta a ser seguida.