Testes de Função Espermática

 

RADICAIS LIVRES DE OXIGÊNIO

De maneira simples, os radicais livres (ROS, do inglês Reactive Oxygen Species) são moléculas formadas pelo próprio metabolismo do organismo que são altamente instáveis e reativas. Os radicais livres são produzidos constantemente e, caso a produção seja pequena, podem se combinar com outras moléculas e rapidamente ser combatidos. Dessa forma, a sobrevivência das células frente às ROS depende do equilíbrio entre a produção e eliminação dessas moléculas. Qualquer circunstância que desequilibre estes dois processos pode induzir a instalação de uma condição chamada estresse oxidativo.

REAÇÃO ACROMOSSÔMICA

O acrossomo do espermatozoide é uma região da cabeça do espermatozoide que contém enzimas proteolíticas e hidrolíticas que digerem a zona pelúcida do oócito permitindo a fusão do espermatozoide com o gameta feminino. Este processo é chamado reação acrossômica e é essencial para que ocorra a fertilização.

 

PEROXIDAÇÃO LIPÍDICA

Para entender o conceito de peroxidação lipídica, é importante conhecer algumas estruturas do espermatozoide importantes nesse processo. Uma dessas estruturas é a membrana plasmática.

A membrana plasmática do espermatozoide é composta por ácidos graxos poli-insaturados que garantem a fluidez necessária para a sua movimentação durante o processo de fertilização. Devido à sua composição química, os ácidos graxos poli-insaturados são alvo fácil dos radicais livres de oxigênio (ROS), provenientes do metabolismo dos espermatozoides e de fontes externas, como uso de drogas, poluição ou varicocele.

Em condições normais, as ROS são combatidas por um sistema de defesa constituído por substâncias antioxidantes, entretanto, diversos fatores intrínsecos ou extrínsecos podem reduzir a capacidade antioxidante do espermatozoide ou aumentar a produção de ROS. Quando a capacidade antioxidante é ineficiente, as ROS iniciam um ataque à membrana do espermatozoide e inicia uma cascata de alterações celulares que comprometem seu potencial de fertilização. Dessa forma, alterações na membrana são marcadores de alterações nos espermatozoides e de que o estado redox da célula está alterado

 

CREATINA QUINASE

A enzima intracelular creatina quinase (CK) pode predizer com maior exatidão se os espermatozoides de determinado indivíduo têm boa capacidade fertilizante. Células que requerem muita energia, como os gametas masculinos, possuem alta atividade de CK que é considerada uma enzima chave na geração, transporte e uso de energia. Para o espermatozoide, a CK funciona como um combustível para que ele se mova ativamente, pois facilita a manutenção dos níveis de substâncias importantes para geração de energia. Para entendermos como ela funciona, é preciso entendermos como o espermatozoide é formado.

 

ATIVIDADE MITOCONDRIAL

As mitocôndrias são pequenas organelas responsáveis pelo suprimento de energia aos espermatozoides através do metabolismo aeróbico, em um processo chamado fosforilação oxidativa. Este processo faz com que o espermatozoide adquira motilidade e fique apto a chegar ao oócito. As mitocôndrias são organelas fundamentais aos espermatozoides e disfunções na sua estrutura podem resultar na redução das funções espermáticas. Além disso, defeitos em sua estrutura podem comprometer a fosforilação oxidativa e, consequentemente, comprometer a capacidade dos espermatozoides de se moverem, além de contribuir para o aumento de espécies reativas de oxigênio (ROS, do inglês Reactive Oxygen Species).

 

TESTE DE FRAGMENTAÇÃO DO DNA ESPERMÁTICO

A avaliação do índice de fragmentação do DNA espermático (DFI) é um teste realizado para avaliar a qualidade dos espermatozoides em uma amostra seminal. Seus resultados se correlacionam com uma série de condições médicas, hábitos e estilo de vida e doenças que afetam o sistema reprodutivo masculino e constitui um dos exames com potencial diagnóstico e prognóstico em (in)fertilidade masculina, podendo ser utilizado como marcador de intervenções cirúrgicas e tratamentos clínicos. Problemas na estrutura do DNA espermático estão relacionados com perda de qualidade funcional dos espermatozoides, piora da capacidade de fertilização e do desenvolvimento embrionário inicial.